A importância da manutenção predial

João Bosco Rebello*

Em função do trágico desabamento do prédio residencial em Fortaleza na manhã desta terça-feira (15/10/19), peço a sua permissão para falar um pouco sobre a importância da manutenção predial.
“Os escombros estão uns em cima dos outros. Ele caiu inteiramente na vertical, e isso é um indicativo de problemas de estrutura de pilastra rompendo. Isso faz com que ele caia com essa natureza”.
"As fotografias que estão surgindo mostram exatamente as pilastras com as ferragens expostas. Presume-se que foi isso"…
Estas são afirmações de engenheiros que deram entrevista a respeito deste desabamento.
Aos poucos vão surgindo várias reportagens a respeito do desabamento e, num primeiro momento, nos leva a pensar num prédio antigo, cuja manutenção foi deixada para segundo plano.
No curso que já ministrei na ADEES para zeladores, falamos da importância da manutenção preventiva e a responsabilidade dos zeladores/síndicos em relação ao CHECK-UP e inspeção predial, seguindo fielmente o ROTEIRO PARA A INSPEÇÃO.
Na lista de tarefas/rotina condominial, encontramos tarefas que devem ser feitas diariamente, semanalmente, quinzenalmente, mensalmente, bimestralmente, trimestralmente, semestralmente e anualmente.
Já estive em alguns condomínios fazendo com os zeladores a inspeção predial, desde o para raios até o subsolo, e me deparei com situações preocupantes.
Entendemos que respeitar a manutenção preventiva é realizar um conjunto de ações visando evitar possíveis falhas das instalações, pois, através do estabelecimento de um rigoroso planejamento prévio, conseguimos assegurar o perfeito funcionamento da edificação.
Conforme a situação encontrada na inspeção predial, é fundamental buscar auxílio de pessoas especializadas, como um engenheiro perito que poderá emitir um laudo técnico a respeito.
Finalizando, é muito importante que este trágico acontecimento em Fortaleza, escancarado de forma triste nas mais variadas reportagens, permita refletirmos sobre como está a manutenção do nosso condomínio, para evitarmos situações mais graves e mais complexas em suas soluções.
Lembrando que nós, síndicos, temos outro agravante, a LEGISLAÇÃO!
Existe no Código Civil o artigo 1348 que fala sobre a responsabilidade civil e criminal do síndico, fato que eleva o grau da nossa responsabilidade e deve nos motivar a agirmos de forma preventiva, evitando a corretiva e suas consequências.
 
*João Bosco Rebello é síndico, consultor e parceiro da Adees.


Crédito da foto: Fábio Lima/O Povo/Rede Nordeste